Histórico

O Programa de Pós-Graduação em Transportes da Universidade de Brasília, foi criado em 1988 como Mestrado em Transportes Urbanos – MTU. Constitui-se naquele momento um importante passo para suprir as carências de formação de recursos humanos altamente qualificados na Área de Transportes Urbanos, sobretudo nas regiões Norte e Centro-Oeste do País. A sua implantação ocorreu através de um convênio firmado entre essa Universidade e o Governo Federal, com apoio da Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU). O curso foi oferecido, inicialmente, de forma conjunta pelos então Departamentos de Engenharia Civil, da Faculdade de Tecnologia, e de Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

 

A partir de 1990, o Mestrado em Transportes Urbanos passou a ser administrado exclusivamente pelo Departamento de Engenharia Civil e, com a contratação de novos profissionais, o curso foi amadurecendo e incorporando novas áreas de pesquisa e atividades de extensão.

 

Em 1998, os professores do curso implementaram na Universidade de Brasília um projeto arrojado, em parceria com a Agência Internacional de Cooperação Japonesa (JICA) e com o Ministério dos Transportes, envolvendo a criação do Centro Interdisciplinar de Estudos em Transportes (CEFTRU). O Ceftru oferece cursos de extensão (cursos de curta duração) e de especialização, tanto para quadros técnicos de empresas de transporte e órgãos públicos quanto para profissionais que desejam se qualificar para futura atuação na área de transportes.

 

060813 103232

 

Tendo em vista a expansão das atividades desenvolvidas para além das fronteiras dos transportes urbanos, em 1999 o curso passou a denominar-se Mestrado em Transportes. Em 2005 iniciou-se o curso de Doutorado em Transportes e o programa ganhou então a denominação atual de "Programa de Pós-graduação em Transportes - PPGT". Na atualidade, o PPGT conta com 13 docentes e está sob a Coordenação da Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Missão
O Programa de Pós-Graduação em Transportes tem como missão a formação de professores e profissionais de alto nível voltados para o equacionamento e desenvolvimento de soluções para os problemas de transportes, elevando o nível de graduados em Engenharia Civil e áreas afins, estimulando-lhes a capacidade de pesquisa, de criação e de espírito crítico, bem como desenvolver pesquisas que contribuam para o avanço científico-tecnológico e social do País (Regimento Interno, Art.1o).

 

Objetivos
* Formação de professores, pesquisadores, cientistas e tomadores de decisão com capacidade de análise, de criação e com espírito crítico para equacionar e desenvolver soluções em transportes;
* Desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica em Transportes visando produzir, disseminar e aplicar conhecimentos relacionados às temáticas selecionadas em linhas de pesquisa.

 

Objetivos Específicos
* Formar profissionais de ensino superior em transportes que:

    Dominem o estado da arte;
    Sejam capazes de transmitir os conhecimentos; e,
    Sejam capazes de desenvolver pesquisas e se atualizar

* Formar cientistas em Transportes que sejam capazes de:

    Sistematizar e organizar conhecimentos
    Planejar e criticar processos de produção científica
    Produzir novos conhecimentos
    Comunicar as descobertas e resultados


* Fortalecer a imagem do programa dentro da universidade junto à sua administração;
* Assegurar condições ambientais e de infra-estrutura que garantam o desenvolvimento das atividades do programa;
* Fortalecer laços de cooperação com a comunidade científica e instituições afins;
* Manter programa permanente de capacitação e reciclagem de docentes;
* Manter adequado o quadro de professores às necessidades do programa;
* Desenvolver hábitos de pesquisa, espírito crítico, criatividade no corpo discente;
* Consolidar linhas de pesquisa;
* Manter a atualidade dos conteúdos programáticos, métodos e técnicas de ensino;
* Integrar as demais às atividades de ensino na graduação e extensão;
* Manter adequada a produção científica;
* Estimular publicações em veículos indexados; e,
* Manter o tempo médio de titulação nos limites adequados.